Brumadinho causa morte de peixes no rio Paraopeba, afluente do Rio São Francisco

Os primeiros reflexos do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho, Região Metropolitana de Belo Horizonte, já são percebidos no Rio Paraopeba.  A lama acumulada passou a “represar” a água do rio, que ficou escassa e baixou de nível em determinadas partes do curso do rio. Com isso, peixes começaram a morrer.
Segundo relatos de moradores de Brumadinho à reportagem, o nível da água baixou até 2 metros. “Tem muitos peixes morrendo na beirada, porque não tem água para eles mais. Dá para ver de longe. É muito peixe perdendo. É muito triste a situação”, lamenta Marcos Vinicius Santana.
O Rio Paraopeba, que corta Brumadinho, está represado. Com isso, os peixes começam a morrer na encosta.
Os peixes mais encontrados  são corvinas, curimbatás, surubins e dourados. Existe a preocupação de que outras partes do Paraopeba, além da que corta Brumadinho, também sofram com os reflexos da tragédia – seja em função da lama, seja por conta de uma eventual contaminação da água com rejeitos de minério da barragem da Vale.
A bacia do Paraopeba cobre 48 cidades de Minas Gerais. Somadas, as populações desses municípios ultrapassam 1,3 milhão de habitantes, segundo dados do Censo Demográfico de 2010. Estima-se que esse número aumentou ao longo dos últimos nove anos. O Paraopeba tem área de 12.054,25 km², que corresponde a 5,14% do território da bacia do rio São Francisco. Existe, portanto, a preocupação de que os rejeitos possam atingir até mesmo o mar.
A nascente está localizada em Cristiano Otoni, Mesorregião Metropolitana de BH, e tem foz na represa de Três Marias, no município de Felixlândia, na Região Central de Minas Gerais. Os principais rios da bacia são o Paraopeba, o Águas Claras, o Macaúbas, o Betim, o Camapuã e o Manso.
Estado de Minas Foto: Montagem

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Fechar