Oposição de Petrolina quer transparência na licitação do transporte público

A Bancada de Oposição de Petrolina voltou a pedir transparência no processo licitatório do transporte público. O líder Paulo Valgueiro usou a tribuna da Câmara de Vereadores, nesta terça (23), para fazer críticas contundentes à gestão municipal diante da obscuridade em torno da escolha da empresa que deverá prestar os serviços de transporte coletivo na cidade. Em função disso, a Justiça suspendeu o resultado da licitação.

No último dia 15, a Justiça, através de uma liminar, anulou o processo licitatório que escolheu a empresa Atlântico Transportes e Turismo Ltda vencedora do certame. Na justificativa de anulação, o Juiz de Direito, Sydnei Alves Daniel, pede explicações sobre a evolução patrimonial da empresa vencedora.

O documento expedido pela Justiça, diz “c) após verificar inconsistências nos documentos de habilitação da empresa requerida, manifestou o interesse

De apresentar recurso administrativo face aos documentos apresentados, notadamente no que diz respeito ao balanço patrimonial apresentado e à irregularidade fiscal do imóvel onde se localiza a empresa; d) balanço patrimonial apresentado não pode comprovar capacidade econômico-financeira da empresa Atlântico Transportes Ltda., visto que o patrimônio líquido da empresa passou de R$ 3.159.330,73 (três milhões, cento e cinquenta e nove mil, trezentos e trinta reais e setenta e três centavos) para R$ 45.165.117,34 (quarenta e cinco milhões, cento e sessenta e cinco mil, cento e dezessete reais e trinta e quatro centavos), com um incremento de 1000% (mil por cento) entre o exercício financeiro de 2017 para

2018; e) ainda no que diz respeito ao balanço patrimonial, a empresa saltou da casa dos 42.000.000,00 (quarenta e dois milhões de reais) para mais de R$ 90.000.000,00 (noventa milhões de reais), corroborando as impropriedades do balanço patrimonial apresentado pela empresa Atlântico Transportes Ltda.”

Razões estas, que levou à Justiça suspender a Concorrência nº 003/2019. No processo, a Autarquia Municipal De Mobilidade De Petrolina –Ammpla, também foi notificada como réu. A Justiça pede que a Ampla apresente as documentações necessárias da empresa vencedora que comprovem a sua habilidade para participar da licitação.

Valgueiro criticou a falta de transparência no Portal e sugeriu ao prefeito mais responsabilidade na prestação de contas ao povo de Petrolina, povo este que o elegeu. “Prefeito não tem que combinar edital com empresário nenhum. A empresa vencedora está recheada de processos, processos em todas as cidades que prestou o serviço. Petrolina precisa de uma solução para os usuários do transporte público e não trazer mais problemas para a população”. O líder relembrou um discurso do prefeito, durante campanha eleitoral em 2018, que já teria conversado com empresários sobre o edital de licitação. “Isso causa estranheza não é comum o prefeito discutir edital com empresários”, criticou.

A preocupação foi reforçada por Cristina Costa ao enfatizar que a prefeitura precisa ser transparente. “A Prefeitura precisa ter responsabilidade com os usuários de ônibus e garantir um transporte público de qualidade, vamos continuar fiscalizando”, reforçou.

A Bancada de Oposição está atenta e acompanhará todo o processo até o resultado final com a finalidade de garantir legitimidade na escolha da empresa que prestará os serviços de transporte coletivo para os próximos 30 anos na cidade.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Fechar