MPF denuncia trabalho escravo em três casas de farinha no Sertão de Pernambuco

Três estabelecimentos de casas de farinha de mandioca foram interditados na zona rural de Ipubi, no Sertão pernambucano e, os donos, denunciados  pelo Ministério Público Federal (MPF). De acordo com  o procurador da República Marcos de Jesus,  114 pessoas eram  submetidas a condições análogas a do trabalho escravo, dessas, treze  tinham menos de 18.

O  procurador denuncia que as pessoas exerciam jornadas exaustivas que chegam a 15 horas diárias. O pagamento, de acordo com ele, era feito por produção ou seja, sem garantia do recebimento de salário mínimo.

Para a função de raspagem da mandioca, por exemplo, eram pagos R$ 3,00 por carrinho de mão. O procurador também afirma que as empresas apresentavam risco à saúde e integridade física dos trabalhadores, como ausência de equipamentos de proteção, água potável e banheiros.

Caso a Justiça acate o pedido do MPF, os envolvidos podem ser condenados a penas de três a 12 anos de prisão.

 

 

Fonte: Blog Edenevaldo Alves

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar